Arquivo | Morte RSS feed for this section

Para além do mal

23 Ago

A propósito da pintura de Paul Klee “Angelus Novus” que mostra um anjo cujo rosto parece virar-se para o passado, Walter Benjamim, disse

Onde nós percebemos uma cadeia de acontecimentos, ele vê somente uma catástrofe única, que lança e acumula sem cessar aos seus pés escombros sobre escombros. O anjo gostaria de ficar, despertar os mortos, e reparar o que foi destruído. Mas do paraíso sopra uma tempestade, que lhe apanha as asas com tal violência que não pode voltar a fechá-las. A tempestade impele-o irresistivelmente na direcção do futuro para o qual está de costas voltadas, enquanto o amontoado de ruínas cresce à altura do céu. Esta tempestade é aquilo a que chamamos progresso

Este extraordinário filme promocional da Philips, representa como banalidade espectacular uma orgia de morte. Transporta-nos como voyeurs de uma cena congelada no sentido histórico e literal, mas percorre-a extensamente, fazendo-nos participantes da pornografia do nosso tempo, a visibilidade total e o poder experimentável, num jogo de vídeo ao qual sujeitamos os sentidos a um caos absoluto.

Nesta pulsão/constrangimento que faz perder a quem a experimenta a possibilidade da classificação, desorienta-se a nossa relação com a representação que temos do bem e do mal. Separados do princípio da realidade e, face à imposição da fruição da violência brutal, nenhuma liberdade nos resta para além de lhe resistirmos.
Esvaziada a narrativa e retirada a espessura que um motivo lhe daria, a fruição do excesso mostrado em suspenção e a nossa atracção e tolerância à cena são eloquentes símbolos pós-modernos.

Anúncios

Civilização e Humanidade

21 Ago

É isto!

Contra a opinião dos EUA e do governo Inglês, a Escócia acendeu uma luz de civilização e humanidade, difícil de digerir pelas famílias das vítimas, mas encerrando, de facto, um sentido profundo e cada vez mais raro num mundo insano. Aprendemos todos com esta declaração.

21 Gramas

26 Jun

As grandes religiões encaram a morte com tristeza, embora alimentem a ideia de uma vida para além dela. A ciência, por sua vez, não provou a improcedência desta crença. Na nossa cultura, lidamos todos com o doloroso facto de algo nos ser tirado com a morte de alguém que nos é querido, e somos afinal, crentes ou não, cépticos com a “outra vida” ou pelo menos com a bondade da mesma.
A ideia de uma alma separada do corpo, é uma idéia socrática mas está tão profundamente inscrita em nós que se confunde com aquilo que realmente a Bíblia diz. Sócrates baseava a indestrutibilidade da alma na sua natureza una e imaterial, uma idéia poderosa que influenciou os pensadores cristãos e chegou, numa forma modificada pela doutrina da igreja, até nós. Mas o que o Velho Testamento realmente afirma é a convicção de que Deus nos fará regressar à vida após a morte. Estas duas noções são bastante distintas, sendo que a da Bíblia requer imenso espaço. Na acepção do filósofo uma alma imortal, não carece de ressureição. Na de S. Paulo, nada resta de nós após a morte e a esperança reside na hipótese de que Deus, à semelhança do que fez com o Filho, nos ressuscite atribuindo-nos uma vida eterna.
21 gramas é aparentemente, e socorrendo-me do belíssimo filme de Iñarrito, o peso que perdemos instantâneamente quando morremos. Um maço de tabaco. MacDougall afirma esta teoria da alma que se solta, enquanto os desmancha-prazeres reduzem o fenómeno a uma perda de água que resulta da subida de temperatura corporal no momento em que o fluxo sanguíneo cessa de ser arrefecido pelos pulmões, imagem plausível, mas muito menos atraente.
21 é também o nosso século. Há muito que sabemos ser “feitos da matéria das estrelas” e esta convicção sugere uma abordagem tão científica quanto poética de como a nossa vida continua e alimenta um perpétuo círculo que se reinicia no momento em que somos pais e se prolonga quando, de uma forma ou outra, incorporamos a natureza com a nossa matéria. Se transportamos a nossa informação (as nossas memórias) essa é outra questão. Gosto de pensar que sim. Mas a morte, essa, não há meio de nos surgir como algo que dá valor e beleza à vida tomada como oportunidade e adquire ainda significado como etapa, como um necessário dar lugar, como um ponto final que, numa frase, torne o grande livro mais inteligível.