Arquivo | Consumo RSS feed for this section

Para entender a “lavoura”

8 Set

As Chiquitas com o seu autocolante, são grandes, amarelas, não têm nódoas negras ou outros sinais de violência doméstica mas dificilmente poderiam ser parentes, mesmo que afastadas, das bananas da Madeira. É uma questão de gosto. Uma peça de fruta comida a partir de uma árvore sabe a fruta. Uma laranja comprada num supermercado tem o tamanho e a côr certos, tem até uma etiqueta e se calhar um molde de cartão prensado que a acomoda, mas sabe sobretudo a água e provêm por exemplo da Andaluzia, onde imensos lençois de plástico escondem “pomares” regados com água do Tejo e do Douro que percorre centenas de Kms em envazes para regar aquele solo.

Os frutos, no nosso clima ou noutro qualquer, têm uma época, mas os supermercados preferem contrariar a natureza a aborrecer-nos e vão comprá-los um pouco por todo o mundo, montando uma logística sofisticada, através da qual frutos oriundos de países de outros continentes são colhidos, embalados, transportados e postos nas nossas prateleiras mesmo a tempo de não lhes sentirmos a falta. Como esquecemos com facilidade aquilo que os nossos pais e avós sabiam, agarramo-nos à peregrina ideia de que os produtos frescos têm de estar disponíveis todo o ano e ter uma aparência semelhante à dos alimentos embalados pelo que escolhemos o que não presta mas tem bom aspecto, criando essa miragem de fruta e vegetais com tamanho e peso certos, tudo coisas que a mãe-natureza não pode nem deve oferecer-nos. E é assim que as peras importadas pelo Reino Unido têm um peso cuja tolerância máxima é de 14 gramas relativamente ao peso padrão e o feijão verde que entra em França deve ser direito e medir 10 cm.

Os produtores fazem entregas diárias de alimentos que chegam a viajar 15.000 kms, desenvolvem variedades mais resistentes de frutos e vegetais, encurtam o tempo de amadurecimento. Os supermercados, que são nossos amigos e não gostam de nos sobrecarregar com custos adicionais, passam a pressão para a produção que, por sua vez, “deslocaliza” para regiões mais favoráveis do ponto de vista climático e laboral, “absorvendo” os custos de transporte através de salários muito baixos, porque afinal alguém tem de os pagar. Um atraso significa a perda de um cliente e as grandes propriedades orientadas para exportação, seguem uma prática de sobreplantação que lhes fornece uma margem de segurança da qual resultam sobras obscenas. Como a pressão nos preços é contínua, produtores com uma lógica global como a Chiquita e a Dole, duas empresas americanas, são donas de metade do comércio mundial de bananas, e quando digo de bananas é porque é mesmo de bananas.

Não é por ser patriota e prezar a saúde, por gostar de coisas boas e defender a sustentabilidade, por ser um perito em economia que acabou de descobrir que há mais viabilidade numa produção de proximidade e à nossa escala, ou sequer por me passar pela cabeça que devíamos avaliar os contras de deixar de produzir localmente o que comemos, fosse porque acredito que o mundo não acaba em 2012, fosse por prever que se os camionistas decidem fazer uma greve, as prateleiras do sistema “just-in-time” vão ficar tão brancas como um armário de hospital.
É que neste divertido sistema em que os supermercados não pagam os custos do transporte, nós não pagamos preços altos mas também não comemos fruta fruta, e a “lavoura” (como diz o Paulo Portas) deita fora a produção de batata que não consegue vender aos supermercados, os nossos campos, à falta de melhor uso, podiam ser transformados em campos de golfe, um desporto (?) que requer imensa água o que, a prazo e com discrição, nos haveria de permitir usar a água dos nossos rios ou melhor ainda, desviá-la daquela porcaria das estufas plásticas espanholas onde se produzem as coisas que vão entregar ao Pingo-Doce, o sítio onde costumo esforçar-me por encontrar um simples pêssego português como aqueles da árvore que um dia plantei sem querer, colocando o primeiro visto no checklist do que deveria fazer de mim um homem mas não fez.

Os supermercados lá vão cumprindo a lei e informando a origem dos produtos. O que não conseguem é ter lá fruta, porque a fruta, como as pessoas, tem formatos, pesos e aparências diversas e uma vezes é verdadeira, outras não. Portanto, ou continuamos a levar para casa as “Barbies” insípidas à venda nos supermercados ou optamos pelas portuguesas que, embora mais pequenas e por vezes mal vestidas, sabem e cheiram muito, mas muito melhor.

O Paradoxo da Escolha

25 Jun

Só vai estranhar quem nunca esteve do lado de lá do balcão

20 Jun

É giro, fica bem e é uma vergonha este episódio da saga da ditadura do consumo.

25 Maio

piratas

O Partido Pirata sueco tem quase garantido assento no Parlamento Europeu, ao posicionar-se actualmente como a terceira força política da Suécia. Esta formação defende o fim das restrições no uso da Internet, o que inclui a livre partilha de ficheiros, mesmo que estes estejam sujeitos ao pagamento de direitos de autor” in PÚBLICO.

O assunto é  sério e merece reflexão. O programa é omisso quanto à forma de acautelar os interesses dos artistas, músicos, escritores, fotógrafos, designers, arquitectos e autores em geral e não explica como se vai financiar a investigação retirando aos laboratórios o exercício das patentes. Também não esclarece a actual forma de financiamento do site piratebay.

Na declaração de princípios dos piratas (uma contradição nos termos), afirma-se que “todo o uso não comercial (para utilização própria) deve ser gratuíto e encorajado uma vez que o valor da cultura e do conhecimento aumentam com a sua partilha”. Se tinha descoberto isso mais cedo, fazia uma tiragem de 100 000 exemplares de um meu trabalho e ia oferecê-lo para a esquina.

Supõe-se que, uma vez colocados na instituição Parlamento Europeu, mudem o nome, passando a chamar-se Partido dos Corsários e a arregimentar criativos raptados para trabalhar nas galeras oficialmente reconhecidas. Ansiamos pela elaboração de um programa mais ambicioso que aplique o “princípio” aos restantes bens de consumo.

Era bom que, de uma vez por todas, as pessoas começassem a ser informadas sobre os custos de produção, as margens da distribuição e sobre direitos de autor. Que entendessem qual o investimento envolvido por exemplo na produção de um filme, na remuneração da sua equipa e na sua promoção. Que se questionassem sobre quem fará o investimento na produção e divulgação se fecharem as editoras e sobre o tipo de cultura que teríamos sem elas.

Roubar os produtos das prateleiras torna-se, à luz da mesma ética e argumentação, aceitável, mas não tenho ilusões de que a única coisa que vai continuar a ser roubada sem problemas de consciência, são os bens culturais. Quando um laboratório chegar à cura de uma dessas doenças que desejamos ver erradicadas do planeta, damos uma palmada nas costas do investigador e dizemos “Obrigadinho, pá!”. Alguém ainda tinha dúvidas de que fazer política, nos tempos que correm, é dizer às pessoas o que elas querem ouvir?

Votamos ao comprar. Pense nisso.

15 Maio

“Você também pode votar. E não me refiro ao voto numa urna eleitoral. Qualquer pessoa de qualquer idade pode votar, porque votamos sempre que compramos uma coisa. Sempre que pomos o dinheiro em cima do balcão para pagar uma coisa, estamos a dizer: Aprovo este objecto. Aprovo o método de fabrico, os materiais que o compõem e o que lhe irá acontecer quando já não precisar dele e o deitar fora. “

Gloria Flora in 11ª Hora

Leia com atenção

13 Maio

repair_manifesto